30 de agosto de 2021

Uma situação que acontece bastante com podcasters: você pega o microfone, escolhe o assunto e quer muito soltar a voz. Mas quando vai gravar, se dá conta que um podcast pode ter vários formatos.

Algumas pessoas nasceram para fazer narrações: elas falam por horas e conseguem um programa divertido, detalhado e envolvente. Mas nem todo mundo é assim, e esse formato pode não dar certo pra todos os programas.

Por isso é importante experimentar e escolher o formato ideal de podcast.

Os formatos de podcasts são tipos de programas determinados por algumas características:

  1. Como um programa é criado
  2. A estrutura e o estilo de um programa

Os formatos são importantes para os podcasters por 2 motivos:

  1. Eles trazem consistência para os ouvintes. Seu público sabe o que esperar porque seu podcast tem um formato específico.
  2. E para os criadores. Quando você escolhe um formato, não precisa começar cada episódio do zero. Isso facilita a produção porque você já vai ter um modelo de estrutura pros episódios.

Os podcasters precisam aprender sobre cada formato para decidir qual é o ideal pro programa deles. Neste artigo, vamos falar sobre os 7 formatos mais usados com insights de podcasters sobre cada um.


O podcast solo

Podcasts solo têm apenas um apresentador que fala sobre um ou mais assuntos em cada episódio. Esse formato segue um estilo de monólogo narrativo para guiar os ouvintes por cada assunto.

Carefree and Black Diaries” é um podcast solo produzido e apresentado por Shaakira White. No programa, Shaakira fala sobre cultura, política, música, educação o qualquer outro assunto que ela achar interessante.

Shaakira White, apresentadora do “Carefree and Black Diaries”


Vantagens

  • Os podcasts solo são mais fáceis de serem produzidos porque não dependem da disponibilidade de convidados e coapresentadores.
  • Eles oferecem uma experiência mais íntima para o público. Os ouvintes da Shaakira dizem que se sentem conversando com um amigo nos episódios.
  • Você tem controle total sobre o processo de gravação e edição. Além de poder fazer o roteiro das seções exatamente como quer. E se não gostar de um episódio, é só gravar de novo.

Desafios

  • Pode ser um desafio manter o interesse dos ouvintes com um podcast solo. Gosta de fazer narrações longas? Quer falar sobre muitos assuntos? Pense nos seus pontos fortes, já que atrair a atenção do público só vai depender de você.
  • Pode ser solitário trabalhar sem ter outra pessoa para colaborar e pensar em novos conceitos para o programa. Um jeito de evitar isso é criar uma rede com outros podcasters e ter uma comunidade com ouvintes nas redes sociais.

O podcast de entrevistas

Os podcasts de entrevistas são programas em que os apresentadores conversam com convidados em cada episódio. É o tipo mais comum de podcast, porque não demanda muita logística, é só ter um convidado para cada episódio.

PODCAST NOOR” é um programa de entrevistas apresentando pela premiada jornalista e podcaster Noor Tagouri. Ela conversa com os convidados para criar a entrevista dos sonhos deles no programa. “Eu pergunto [aos convidados] quais histórias eles gostariam de contar e que ainda não tenham compartilhado com ninguém”, diz Noor, “ou algo que queriam contar de outro jeito”.

“PODCAST NOOR” apresentado por Noor Tagouri


Vantagens

  • Os podcasts de entrevistas demandam menos produção. Programas de entrevistas são centrados em duas pessoas conversando, então podem ser mais fáceis de serem produzidos do que podcasts de ficção ou não ficção, que costumam ter um design de som mais complexo.
  • Pode ser mais fácil conseguir novos ouvintes. Seus episódios também são divulgados para os ouvintes do convidado, então esse tipo de podcast pode crescer mais rápido do que outros.

Desafios

  • Conseguir convidados pode ser um desafio. Sua habilidade de conseguir convidados interessantes determina a qualidade do programa. Se você quiser ter um podcast de entrevistas, vai precisar chamar muitas pessoas para participar do programa.

O podcast de mesa redonda

Podcasts de mesa redonda, ou de conversação, têm muitos apresentadores ou participantes com moderação de um único apresentador que discutem assuntos ou entrevistam os convidados em conjunto. Esse tipo de programa é menos estruturado e mais casual do que podcasts solo e de entrevistas.

Black Wealth Renaissance” (BWR) é um programa de mesa redonda produzido por David F. Bellard Jr., Jalen Clark, Kelly Rhodes e Jarred Spiller. Os quatro apresentadores falam sobre finanças pessoais e saúde na comunidade negra.

Equipe do “Black Wealth Renaissance”

‍Vantagens

  • É mais fácil dividir a carga de trabalho de produção quando se tem vários apresentadores. Nem todo membro da equipe do BWR participa de todos os episódios. “Se um de nós tem algo importante para fazer, os outros ainda podem gravar o podcast”, revela a equipe do BWR.
  • O formato de mesa redonda abre espaço para várias perspectivas. Para a equipe do BWR, é bom “poder compartilhar perspectivas e pontos de vista diferentes e ajudar a criar um conteúdo importante” para os ouvintes.
  • Esse tipo de programa pode ter brincadeiras divertidas. Os fãs de podcasts de mesa redonda continuam acompanhando o programa porque gostam do tom de brincadeira e camaradagem.

Desafios

  • Pode demorar pra entrar no ritmo com os outros apresentadores.“Ainda estamos entendendo como ter um sistema para trazer todo mundo para a conversa sem nos interrompermos”, diz a equipe do BWR.
  • Tem muitas variáveis para produzir os episódios. Pode ser difícil marcar o mesmo horário com todos os apresentadores, por exemplo. E se todos não morarem na mesma cidade, ainda é preciso coordenar a produção remotamente, o que torna esse processo mais complexo (o recurso Grave com amigos 2.0 da Anchor facilita a vida dos podcasters).

O podcast de narrativa de não ficção

Nos podcasts de narrativa de não ficção, os apresentadores conduzem entrevistas, narram eventos passados ou atuais, ou gravam em locações externas sobre incidentes específicos ou acontecimentos históricos. A maioria dos podcasts de história e crimes reais usa esse formato porque ele faz uma imersão dos ouvintes em histórias baseadas em fatos reais.

American Hysteria” é um programa apresentado e produzido por Chelsey Weber‑Smith que fala sobre pânicos morais, teorias da conspiração, lendas urbanas e o pensamento fantasioso que define a cultura americana.

Chelsey Weber‑Smith, que apresenta “American Hysteria”


Vantagens

  • Você tem total controle e liberdade de criação. Chelsey diz, “Programas de conversa não têm muito controle. E eu preciso muito controlar tudo”. Você consegue moldar as histórias do jeito que quer compartilhar.

    Você também pode misturar tipos diferentes de áudio, como entrevistas, trechos de notícias, músicas, arquivos de som e mais, para dar formato à narrativa e contar sua história.

Desafios

  • Programas de não ficção levam tempo para serem produzidos. É preciso muito esforço, edição e pesquisa pra garantir a precisão do programa, boa gravação e edição necessárias para produzir um episódio interessante: esse tipo de podcast é muito mais demorado para fazer.
  • A edição pode ser um desafio. Chelsey tem dificuldade em decidir o que tirar dos episódios. “Sempre cortamos histórias que adoramos porque as ideias principais que queremos abordar seguem outra direção”, diz Chelsey.

O podcast de ficção

Os podcasts de ficção trazem histórias que os apresentadores narram ou produzem como narrativas de áudio para os ouvintes. Alguns programas desse tipo convidam atores para interpretar os personagens dessas histórias.

MOONFACE” e “Vermont Ave.” são podcasts de ficção produzidos por James Kim. Cada programa é uma narrativa em áudio que leva os ouvintes pela história em tempo real.

“MOONFACE”, criado por James Kim


Vantagens

  • Você tem total controle criativo. Assim como os programas de narrativa de não ficção, você pode moldar as histórias como quiser. O que diferencia os podcasts de ficção é que você cria o mundo da história.
  • Podcasts de ficção também são bons para testar histórias. Um programa desse tipo é um jeito barato de testar se uma história é bem aceita pelo público. O podcast “Homecoming” alcançou o sucesso como programa de ficção antes de ser adaptado para a televisão.

Desafios

  • É difícil escrever podcasts de ficção.James diz, “É fácil expor demais ou escrever um material muito complicado pro áudio”. Ele recomenda usar design de som para contar a história do programa com o diálogo de cada personagem.
  • Bons podcasts de ficção costumam ser tecnicamente complexos. Um bom design exige um grande conhecimento técnico das ferramentas de mixagem de som. Se você está começando agora no mundo dos podcasts, pode ser bem difícil criar paisagens sonoras por conta própria.
  • Nem toda história funciona como podcast de ficção. Você pode até ter uma história pra contar, mas ela pode não ser adequada pra um podcast. O que James recomenda é se perguntar “Por que essa história precisa ser contada em áudio?” enquanto busca ideias.

O podcast reformatado

Os podcasts reformatados são versões de áudio de conteúdo escrito ou em vídeo. YouTubers ou blogueiros que fazem versões em áudio dos vídeos e blogs criam esse tipo de podcast.

rSlash”é um programa reformatado apresentado pelo YouTuber Dabney Bailey. Cada episódio traz Dabney narrando threads do Reddit para o público. Ele produz o programa pro YouTube e transforma em um podcast.


Vantagens

  • Você produz os episódios com rapidez. Se você já está gravando vídeos ou escrevendo blogs, é rápido reformatar para podcast. Dabney só precisa de 5 minutos pra cada episódio porque ele só tem que criar a versão em áudio dos vídeos.

    Você pode usar a Anchor para converter seus vídeos em áudio, também dá pra usar a integração da Anchor com o WordPress para converter blogs escritos em episódios de podcast.
  • Eles são um bom jeito de aumentar seu público. Alguns fãs podem querer baixar seus episódios pra ouvir offline. Os podcasts são um ótimo canal para interagir com seus fãs e conquistar novos ouvintes.

    Na experiência de Dabney, “tem muita gente que prefere ouvir podcasts. Eu não conseguia alcançar esse público antes”.

Desafios

  • Talvez você perca a liberdade criativa. Como você está reformatando um conteúdo que já existe, pode sentir uma certa limitação se quiser inovar nesse formato.

O podcast experimental

Podcasts experimentais não seguem estilos e estruturas tradicionais. Os apresentadores podem ser criativos e fazer um formato diferente com base nos interesses deles.

Sleep and Relax ASMR” é um podcast experimental com paisagens sonoras de ASMR feitas para ajudar as pessoas a relaxar e cair no sono.


Vantagens

  • Você pode fazer o que quiser. Podcasts experimentais dão a liberdade pra criar o programa do seu jeito. Você também tem liberdade nos de ficção e não ficção, mas tem que criar a narrativa pros ouvintes. Programas experimentais seguem o próprio fluxo, então não têm muitos requisitos.

Desafios

  • É um desafio manter a motivação. É difícil fazer um programa experimental que se mantenha interessante todos os episódios. George, do “Sleep and Relax ASMR”, diz que “pode ser desafiador dar continuidade ao programa e ao mesmo tempo respeitar nossa origem”.

Encontre um formato de podcast que funcione para você

Agora que você já viu as vantagens e os desafios de cada formato de podcast, pode tomar uma decisão melhor sobre o formato ideal para você e seu público.

Esses são os formatos de podcasts mais usados, mas não são os únicos. Você pode ter uma ideia pra um programa que não se encaixa nesses formatos ou que combina vários deles, e tudo bem. Os formatos de podcasts ajudam você a colocar seu programa no ar. E, se não encontrar o ideal pra você, é só criar um do seu jeito.